Saturday, December 11, 2010

Pedal da Amizade - terceiro dia: descida da Serra do Umbú ao litoral


Amanhecer nublado no acampamento

O terceiro dia amanheceu nublado, com nuvens carregadas que pareciam querer trazer chuva a qualquer momento. De fato, sentimos alguns pequenos pingos enquanto ainda estávamos no acampamento, tomando o café da manhã e desmontando as barracas. A noite foi serena, sem preocupações com vizinhos ou movimento na estrada.

Evânder


Acampamento

Quase prontos para partir

Desmontamos acampamento e em duas viagens transportamos bicicletas, alforjes e sacos estanques até a cerca perto da estrada. Transposta a cerca e a profunda valeta, tratamos de montar as tralhas nas bicicletas.

Retorno à estrada









Logo nos primeiros metros de pedalada já começamos uma subida íngreme que nos levaria à entrada para a Floresta Nacional, que se revelou frustrante. Em lugar de belas árvores nativas, uma plantação de pínus rodeava a portaria...

Decepcionante recepção na Floresta Nacional

Passamos pela Floresta Nacional sem vontade de conhecê-la e continuamos pedalando em direção à descida da serra. Apesar de nublado, com o calor da pedalada logo retiramos as capas de chuva.



Entrada para Rincão dos Kroeff

Céu carregado



Capelinha para Santo Antônio que, segundo a placa, é o "protetor da Serra do Umbú".





Bem mais interessantes do que a capela, as pequenas flores em profusão!

Ruínas de um paradouro

Passamos pela estrada para Rincão dos Kroeff, pela pequena capela feita para Santo Antônio e pelas ruínas de um restaurante que anos atrás era um paradouro quase obrigatório antes da descida da serra, pois bem ao lado há o acesso para um belo mirante onde se pode contemplar boa parte da serra e alguns trechos da estrada e suas muitas curvas para vencer a encosta.

Serra do Umbú

[Imagem panorâmica obtida pela montagem de fotografias]

Bem ao longe, o litoral!

Uhúúúúú!!!

[Trajeto e legenda sobre imagem do Google Earth]
Percurso de descida da Serra do Umbú

[Trajeto e legendas sobre imagem do Google Earth]

[Por favor clique nos vídeos para visualizá-los]

Quase no final da descida


Lagartas

Pedalando na planície

A descida da serra estava excelente, com apenas alguns pontos exigindo mais atenção por causa das pedras soltas. Em vários lugares a estrada fica bem estreita, tornando-a bem interessante. À medida em que se desce a temperatura vai aumentando e o terreno vai se tornando mais arenoso. No final da descida, passamos a pedalar ao lado do rio, com um leve declive e estrada em excelentes condições. Paramos para almoçar na pequena localidade de Barra do Ouro (referência ao Rio do Ouro) e depois continuamos em direção a Maquiné, quando reencontramos o asfalto.


Após a passagem por Maquiné reencontramos a BR 101. Pedalamos inicialmente pelo antigo traçado da rodovia, hoje somente com trânsito local. Ao chegarmos nos futuros túneis, começamos a pedalar pelo acostamento da movimentadíssima estrada ainda não duplicada. Com a companhia do trânsito intenso de grandes caminhões, seguimos até a localidade de Morro Alto.

BR 101

Em Morro Alto paramos para despedidas: Evânder seguiria pela BR 101 para Osório e de lá retornaria para sua casa em Viamão. Tiane e eu seguiríamos pela rodovia em direção a Capão da Canoa. Desejamos sorte e boa viagem ao nosso colega de jornada que, além de amigo, é um exemplo de atleta sempre buscando a superação de seus limites. Valeu, amigão!!! (Obrigado pela paciência em acompanhar as "lesmas" cicloturísticas!!!)

 [Imagem capturada de vídeo]
Bom retorno, companheiro!!!
 [Imagem capturada de vídeo]

 [Imagem capturada de vídeo]


Tchau! Boa viagem!!!


Vindo de Morro Alto...
... seguimos para o litoral.

A Tiane estava com uma indisposição estomacal que foi se agravando, evoluindo para cólicas doloridas. Fizemos uma parada estratégica para "ida ao banheiro" bem ao lado da estrada na tentativa de amenizar o problema...
Mais adiante passamos sobre o canal João Pedro, por onde havíamos remado na companhia do Germano, do Otávio e do Márcio. Olhando para o Norte, enxergávamos a Lagoa dos Quadros e as belas figueiras na margem onde havíamos acampado durante a remada.


Por aqui já passamos de caiaque!


A Lagoa dos Quadros e sua ilha

Pedalando mais um pouco contra o vento (e Tiane contra a dor de barriga), chegamos ao acesso à praia de Xangri-lá. Sugeri que seguíssemos pela Interpraias, mais protegida do vento pelas edificações, em vez de pedalarmos pela Estrada do Mar. A ideia inicial era pedalarmos até Rondinha, mas as dores da Tiane foram se intensificando.

Chegando em Xangri-lá

Chegando em Capão Novo

Em Capão Novo, faltando aproximadamente 25 km para Rondinha, concluímos a pedalada. A Tiane estava sem condições de continuar e não estávamos ali para sofrer, mas para aproveitar a pedalada. Telefonei para o pai que, sempre muito solícito, se propôs a nos buscar com a sua Variant vermelha ano 75. Tiane ficou de cama e, no dia seguinte, seria a minha vez de ficar mal do estômago, com vômito e diarreia. Por mais que pensássemos, não chegamos à conclusão do que poderíamos ter ingerido para ter tamanho mal estar.
Apesar desse final que não estava nos planos, a pedalada estava ótima, principalmente quando passamos pelas belas estradinhas de interior. Tiane venceu a subida da Serra do Faxinal, que tanto a preocupava no início. Evânder exercitou a paciência ao nos esperar e nós reforçamos nossos laços de amizade. Ao final, temos mais uma história para contar!

Fim de jornada

Lá vem a Variant vermelha do pai!

Informações disponibilizadas pelo gps:

Distância pedalada: 90,02 km;
Tempo pedalado: 6 h 24 min;
Velocidade média: 14,1 km/h;
Velocidade máxima: 44,2 km/h;
Tempo parado: 4 h 55 min;
Velocidade média total: 7,9 km/h;
Elevação máxima: 936 m de altitude;
Término da pedalada próximo do nível do mar.

Distância total pedalada nos três dias: 241,07 km.

 [Trajeto e legendas sobre imagem do Google Earth]
Em vermelho, o trajeto do terceiro dia; em branco, o percurso que faltou concluir.

 [Trajetos e legendas sobre imagem do Google Earth]
Toda a pedalada

[Trajetos e legendas sobre imagem do Google Earth]
Um ínfimo trajeto realizado - há muito o que conhecer!!!

5 comments:

Helton Moraes said...

Se invejinha desse invejinha, eu estaria com invejinha... Acampamento selvagem: eu ainda chego lá... (e pelo jeito não caiu a tempestade que disseram que cairia...)

Paulo Renato Petry said...

Pois é, Léo: como já "filaste" o rango aqui em casa algumas vezes, se eu soubesse que tu e tua trupe passariam pela Praia do Barco (em Capão da Canoa), poderias ter avisado para eu mandar a chave da casa de veraneio. Me daria ao trabalho de abastecer a geladeira para o (velho) e os (novos) amigos, eh, eh...
Que paisagem, alemão! Vai render mais um albunzinho daqueles?
Bait'abraço

Ígor Tschoepke Goedel said...

Muito legal a panorâmica, mas tu conhece esse programa? http://research.microsoft.com/en-us/um/redmond/groups/ivm/ICE/

Ele faz um trabalho fantástico nas montagens de panorâmicas. Já consegui montar inclusive fotos que não foram feitas pensando em ser panorâmicas.

[]s

Grupo Osório de Canoagem said...

Grande Leonardo, que lugares lindos, as fotos ficaram 10, parabens aos 3 ciclistas, precisamos marcar uma remada, um grande abraço.

Marcio

100% ISA TK+ said...

Caro Leonardo, lendo teus relatos e do teu amigo Evander, das jornadas de bike que vcs fizeram, em especial a descida da serra do umbú, decidi eu e mais um amigo a me aventurar numa empreitada parecida. Minha idéia inicial seria ir de São Francisco de Paula até maquiné via serra do umbu. Por isso, visto tua larga experiencia nessas estradas e trilhas, peço-te a gentileza, caso puderes, me fornecer algumas dicas e mais importante ainda um mapa ( se é que existe) desse percurso que acima mencionei. No mais, um abraço e parabéns por teu blog. Caso achar que podes me ajudar meu email é: newpres@yahoo.com.br , me chamo Luis e moro em Porto Alegre.
Abração!!!!!!!!!